sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Há 15 anos...

Quando tinha 5 anos de idade fui à Florianópolis pela primeira vez. Não posso dizer que lembro de muita coisa. Na verdade, não lembro de quase nada. Tudo o que "sei" que vivi vieram de fotos antigas e dos casos que me contam. Ou seja, não tenho certeza se realmente passei ou se estou construindo uma memória a partir desses fatos.

À época, meu pai morava na cidade a trabalho. Ficou lá por um ano e meio e, ele sim, lembra de tudo. Sempre que passávamos por uma esquina ou uma praia ele contava um caso antigo, ou comentava sobre como era aquele lugar 15 anos atrás. Com as conversas, juntei alguns fatos para tentar mostrar como Floripa era e como está hoje.
.
(Enquanto procuro fotos antigas para escanear e postar no blog, uma imagem em preto e branco da figueira centenária de Floripa. Foto tirada desse link)

- Há 15 anos, as praias de Florianópolis não tinham quiosques ou restaurantes, com poucas exceções. Se você quissesse sombra, que levasse seu próprio guarda-sol. Hoje, a diferença é de praia para praoa: algumas estão cheias de bares, outras continuam tendo poucos.
- O efeito disso é que, hoje, os bares a beira mar em algumas dessas praias impedem o turista de enxergar o mar e ocupam espaços onde os carros poderiam estacionar. Na praia da Lagoinha, por exemplo, os carros chegam a ficar na areia (e faltam vagas nos dias mais cheios).

- Florianópolis está imensa. Há 15 anos, ela tinha 250 mil habitantes. Hoje, são 400 mil. É possível notar a diferença olhando para os morros. Eles não serão completamente ocupados como vemos outras grandes cidades porque cerca de 3/5 da ilha é reserva ambiental. Mesmo assim, as casas estão subindo cada vez mais. Essas residências não necessariamente começam a constituir uma favela e são relativamente ordenadas.

- A avenida Beira Mar Sul tinha tudo para ser um belo bairro. Há 15 anos foi feito um projeto de urbanização por toda sua extensão. Para isso, eles tiraram as casas a beira mar e aterraram grande parte da praia. A faixa de areia diminui pela metade. Os prédios ficaram lá longe. Na frente deles, avenidas, espaços verdes, areia e mar. A prefeitura, porém, não deu continuidade ao obras e o que era pra se tornar um aterro do Flamengo (RJ), com quadras, playgrounds, pistas de atletismo e jardins, só tem grama subindo pra tudo que é lado.

- Há 15 anos, a praia da Barra da Lagoa era cheio de conchinhas (uma das minhas únicas lembranças). Tão cheio mas tão cheio que dóia chegar até o mar. Hoje, as conchinhas são poucas.

- Não foi exatamente há 15 anos, mas, historicamente, a praia de Canasvieiras é conhecida por ser "a praia dos argentinos". Na época que eles iam muito para Floripa, quando o presidente deles equiparava o peso ao dólar e fazia com que tudo no Brasil fosse mais barato para os hermanos, eles invadiam a ilha. E tudo era tão barato que eles pediam tudo em dobro, e ficaram famoso pelo bordão "da-me dos". Até hoje, palavras em espanhol como alquilamos ao invés de alugamos são comuns por ali.
.
- O centro da cidade é cheio de gente e cheio de lojas, como qualquer centro de cidade grande. Mesmo assim ele tem ares mais tranquilo pelo fato da sua rua mais movimentada ser, de fora a fora, só para pedestres. Essa ideia amadureceu com o tempo. Há 15 anos só um quarteirão da rua era fechado para os carros.

- Outra coisa que chama atenção no centro é o Camelódromo Municipal de Florianópolis. Construído há mais do que 15 anos, em 1991, o local foi um dos primeiros do país (senão o primeiro) a tirara os vendedores autônoms e suas barraquinhas da rua.

- A praça XV de novembro, no centro, guarda uma figueira centenária. E imensa. Há 15 anos, o local estava mais conservado. Hoje, as árvores e plantas cresceram muito e deram um aspecto de floresta ao local. Escura e com um ar tenebroso, ela agora é lar de indigentes e mendigos.

Um comentário:

  1. Adorei xú!
    vontade de ir pra lá - de preferencia há 15 anos!
    gostei mesmo! posso dar uma sugestão? faz isso com outras cidades! acho que a nossa é um bom exemplo!
    bjos!
    sarinha

    ResponderExcluir