sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Para começar bem o dia, aquele café da manhã

Sou uma apaixonada por cafés da manhã. Quando estou viajando e fico em um hotel com café incluído ela se torna a refeição mais esperada do meu dia. E mais pesada também. Como até me empanturrar: frutas, pães, bolos, biscoitos, sucos, leite e por aí vai. O ruim é ter que esperar a próxima viagem para me encher com os quitutes.

(Hum... se eu pudesse, e tivesse tempo, arrumava uma dessa pra mim todos os dias. Foto tirada desse link)

Mas há algum tempo li uma matéria sobre "onde tomar café da manhã em São Paulo" e pensei: hei, eu não preciso esperar uma viagem, posso fazer isso na minha própria cidade. Assim, saí a procura de um lugar. O primeiro critério para começar minha pesquisa foi achar um local que servisse café da manhã a la hotel, com fartura e, de preferência, self-service. Com esse critério encontrei também um boa forma de eliminação.

Em Belo Horizonte existem centenas (senão milhares) de padarias, lanchonetes e restaurantes, mas nem todos servem café da manhã dessa forma. Isso porque no Brasil o costume é tomar a primeira refeição do dia em casa. As pessoas até podem ir a algum estabelecimento buscar comida, normalmente um pão quentinho, mas não se sentam nem comem lá. Às vezes, quem sai com pressa de casa acaba passando em uma padaria, pede um pão de queijo e um suco, se senta no banquinho e come por lá mesmo. Mas café da manhã com fruta, pão, bolo... isso se faz em casa.

(A maior parte das padarias são como essa: as pessoas chegam, pedem o que querem, pagam e vão embora. Foto tirada desse link)

Outra justificativa para poucas padarias investirem em cafés da manhã especializados é o fato de ser caro. Colocar na mesa pães variados, manteiga, geléias, frutas picadas, bolo com cobertura, leite e café, arrumar as mesas, sujar louça, isso tudo é trabalho e é comida que, se não consumida, vai direto para o lixo. E se é caro para o estabelecimento, é caro pro cliente. Saber do preço de se tomar café fora de casa me indicou o segundo critério, que era procurar locais em áreas mais nobres da cidade.

Assim, decidi usar a revista Veja Comer e Beber em Belo Horizonte para me ajudar a fazer uma lista com os lugares que servem café da manhã na cidade. A lista ficou mais ou menos extensa e a ideia era encontrar o equilíbrio: nem a mais cara com mais coisas, nem a mais barata com menos variedade, mas achar o melhor custo benefício.

Nessa brincadeira acabei optando pelo supermercado Super Nosso Gourmet. Entre as 12 unidades da rede, 5 delas têm restaurante e servem café da manhã. Resolvi ir na unidade do Xuá, recém inaugurada. O local era bem arrumado e com uma vista muito bonita da parte sul da cidade. A mesa era um tanto quanto modesta, mas tinha muuuito mais do que eu conseguia comer. Comi frutas com iogurte, pão de queijo com queijo minas, biscoitos, pedaços de bolo com creme de avelã e chocolate, leite com achocolatado. Estava tudo uma delícia.

Tenho, porém, uma observação e uma reclamação. A observação é que havia poucas opções salgadas. Tirando o pão francês e o pão de queijo, o resto eram bolos e mais uma série de quitutes feitos com açucar. A reclamação vem do atendimento. Um dia antes liguei para o local e me disseram que o café da manhã era 11,90 por pessoa em qualquer unidade. Quando fui pagar, porém, o preço "se tornou" 14,90.

(Pães e mais pães. Com essa onda de comida saudável que vem ganhando força a cada dia, as lojas estçao investindo em produtos sem nenhum tipo de conservante, como a Casa Bonomi e o Graciliano. Foto tirada desse link)

Não fiz uma peregrinação pelos estabelecimentos que servem café da manhã na capital mineira. Mas descobri que há uma série de locais que oferecem esse serviço. Um deles é a Casa Bonomi (Cláudio Manoel, 460, Funcionários). Fundado há 12 anos por Paula Bonomi, o local mudou a forma de entender as padarias na cidade. Até então, elas eram locaia aonde as pessoas iam comprar pão e algumas outras coisas para a casa, como manteiga, suco, papel higiênico e fósforo. Ela então resolveu criar uma padaria que oferecesse diversos tipos de pães e outros quitutes e oferecesse um local para o cliente se sentar e comer. Hoje, são 80 tipos de baguetes, sem contar os folhados, croissants, brioches e massas recheadas. O serviço é a la carte e tudo que está no cardápio pode ser pedido a qualquer hora do dia. O que mais sai pela manhã é a cesta de pães acompanhada com manteiga, geléia e outros tipos de recheio por 12 reais. As sobremesas também saem por, no mínimo, 12 reais.

Outra opção (também para os endinheirados) é o Graciliano (R. Marília de Dirceu, 40, Lourdes). Criada há 7 anos para servir lanches, o local já oferece café, almoço, chá da tarde e jantar. A padaria traz pães pouco convencionais e sobremesas finas. De segunda a sexta, o café custa 15,90 por pessoa. Aos sábados o preço cai para 14,90 e é servido na mesa. Aos domingos o preço permanece mas o cliente podem se servir no buffet. No Status Café e Cultura (R. Pernambuco, 1150, Funcionários) o café da manhã só é servido aos domingos e embalado ao som de jazz. A mesa é farta e o preço para participar do banquete é 17 reais para adultos e 10 para crianças.

Dois estabelecimentos brigam pela posição de café da manhã mais caro da cidade e empatam. São eles o Pão e Companhia (R. Francisco Deslandes, 817, Anchieta) e o Strudel Haus (Av. Afonso Pena, 3900, Mangabeiras). O primeiro é também o mais antigo: foi inaugurado há 27 anos e hoje têm mais de 20 lojas pelo Brasil. O café da manhã é tradição na casa assim como seu pão de queijo que, com generosas quantidades de queijo canastra, é um dos itens mais pedidos pelos clientes. O segundo é uma casa de especializada em receitas alemãs, principalmente sobremesas. O destaque vai para o apfelstrudel, uma torta de maça alemã. O preço de ambos: 26,90 o quilo.

(Apfelstrudel de maça. Já provou um desses? Se não, passou da hora. É uma delícia. Foto tirada desse link)

Há opções mais em conta, mas que também não saem da faixa de preço entre 10 e 15 reais. Uma delas é o Santíssimo Pão (R. Benvinda de Carvalho, 148, Santo Antônio) que oferece o serviço somente nos fins de semana. A mesa é composta por mais de 30 itens entre folheados, pães e bolos, ao custo de 12,90 o adulto e 6,90 a criança. A Trigopane (Av. Mário Werneck, 1352, Buritis) também não fica atrás. Apesar de um pouco mais cara, já que o café sai por 14,20 por pessoa, sendo que crianças pagam metade, o estabelecimento está sempre atrás das tendências, seja em novelas, em feiras internacionais ou através de pesquisas de mercado. Foi assim que eles resolveram desenvolver suas linhas light e diet.

Para quem quer ver ainda mais opções é só entrar no site da Veja, comparar e escolher. Bon apetit!

5 comentários:

  1. Ju, também A-DO-RO café da manhã de hotéis. Nem precisa comer tanto (se bem que a gente nunca consegue), só de ficar olhando pra aquele tanto de variedade sem saber o que pegar, já vale.

    ResponderExcluir
  2. Tô lendo e lembrando do café da manhã do hotel em Salvador. Putz, que isso!
    Tinha de tudo, inclusive um carinha - bontinho por sinal - que fazia mexidos com bacons, presunto, queijo e o que mais você quizesse.

    ResponderExcluir
  3. Eita, que eu nao sabia que BH tinha tantas opcoes deliciosas e charmosas pro cafe da manha! Dificil agora vai ser na minha proxima ida `a cidade conseguir eleger um desses! ;-)

    ResponderExcluir
  4. Adoreii seu post!! Tava procurano um lugar pra tomar um bom café da manha e sai convencido de q há vários destes lugares em Bh!!!! Não sabia de nenhum!! Vlw

    ResponderExcluir
  5. Valeu!!! Dou muito valor a um café da manha bem montado e saboroso muito obrigado por orientar minha busca aqui em bh.

    ResponderExcluir