sexta-feira, 4 de junho de 2010

Impressões sobre a cidade de Paris

Na sala aqui de casa, muitas barras de chocolate europeu e lenços franceses. Nos arquivos do meu computador, exatas 2.375 fotos. Na memória do meu pai e da minha mãe, que acabaram de voltar de uma viagem pela Europa - 12 dias em Portugal e 5 na França - muitas lembranças.

Como Portugal já era um destino conhecido, dessa vez foi Paris que chamou todas as atenções. Por telefone, enquanto eles ainda estavam lá, escutava minha mãe falar maravilhada da cidade: "aqui é lindo, só vendo para entender". Sinceramente, sempre tive um pouco de preguiça dessa coisa de Paris é a cidade mais linda do mundo e blá blá blá. Para mim, a tradição falava mais alto. Mas nunca imaginei escutar a minha mãe falando daquele jeito. Podeia sentir na voz dela que era verdade: Paris é deslumbrante.

(O símbolo dos símbolos. Como visitar a cidade sem ir à Tour Eiffel?)

Aqui, as impressões deles sobre a cidade. Prometo depois um relato completo de todo o roteiro, com muitas fotos e informações:

"O metrô de Paris é como um queijo suiço. Cheio de buracos, vai pra quelquer lugar. São 16 linhas. Mas não sei como a Luciana [da novela "Viver a Vida"] fazia para se locomover com tanta facilidade porque nem tudo é tão acessível assim para o cadeirante. Nem todas as escadas têm esteira rolante."

"É tudo subterrâneo. O metrô, estacionamentos e muitos banheiros dos restaurantes e bares. Alguns são bem nojentos e não tem nem vaso, só um buraco."
.
"A cidade é suntuosa, grandiosa, histórica. Ela é cheia de monumentos, estátuas e coisas de valor. É tanta estátua que chega a incomodar."
.
(Exemplo dessa mania de grandeza. Tem quatro estátuas douradas como essa em uma só ponte, cada uma de um lado)

"Os prédios também são imensos. Eles não podem ter mais de 8 andares, mas alguns são tão largos que não cabem nas fotos. E são todos da mesma cor, meio bege meio palha. A cidade toda tem quase a mesma cor. Tudo bem suave e bonito."

"A gente só conseguiu ver a parte de obras italianas do Museu do Louvre. Ele é imenso. O museu tem fomato de "U" e parece que tem 1 quilômetro de extensão. A gente sempre pensou que o quadro da Monalisa fosse grande também, mas ele é pequeno: tem menos de um metro. E só conseguimos chegar perto da Monalisa porque formos às 6h da tarde e estava relativamente vazio."

" - Fizemos um passeio naqueles carros vermelhos de city tour, o car rouge.
- Deve ter gente do mundo inteiro. Quantas línguas o carro falava?
- Cinco."

"A graça dos doces franceses, e de toda a Europa, é que eles não são enjoativos porque não são tão doces. Comemos meia dúzia de macarons sem enjoar. Eles reclamam com razão que no Brasil tudo é doce demais."

(Uh lá lá! Foto tirada desse link)

"As lojas de doces são aconchegantes e apetitosas. Nunca vi nenhuma parecida aqui no Brasil."

"Também comemos o melhor sorvete de Paris na sorveteria Berthillon, na Île Saint-Louis. É bom mas é muito mixuruca, vem uma bolinha de nada."

"Em Paris é tudo muito caro. A gente sentava pra tomar dois cafés e uma água dava 12 euros, quase 30 reais. Com uns 15 euros a gente almoçava em Portugal, com comida farta e vinho tinto."

"As galerias são caríssimas. No nosso caso, foi entrar só pra ver mesmo."

"Eles são muito cuidadosos com o turista. O Arc de Triomphe estava em reforma e, pra não ficar feio, eles tiraram fotos imensas da escultura e colocaram na frente dos andaimes. De longe você nem acha que não é original."
(Ta vendo essas imagens, em cada lado do arco? Atrás delas você pode ver os andaimes usados para a restauração do monumento)

"Os franceses realmente não fazem questão nenhuma de conversar em outra língua. Eles não tratam ninguém mal, ao contrário, são muito respeitosos, mas você está falando uma língua que não é o francês eles não se esforçam. Nos hotéis de Portugal quase todos os atendentes falavam português, inglês e francês. Na França pouquíssimos falavam outra língua."

"O francês é um povo bem simples. Eles não gostam de chamar atenção e são bastante discretos."

" - Nos fins de semana os parques ficam apinhados de gente. Aonde tem grama tem gente sentada. É uma farofa como a dos brasileiros.
- Igual mineiro em Guarapari?
- A mesma coisa. passam o dia inteiro lá, levam comida, fazem piquenique, brincam, dançam forró, tomam sol. A única diferença e que no final do dia todo mundo joga seu lixo no lixo."

"Tem gente de todas as nacionalidades em Paris, e brasileiro pra tudo que é lado. No hotel [Ibis] a gente conversou com vários. Vez ou outra a gente entrava no elevador e falava bonjour. As pessoas respondiam bonjour e começavama a conversar em português. Aí a gente dizia: bom dia!"

6 comentários:

  1. Ju, nao demora pra postar o roteiro, nao! Quero ver se ainda falta alguma coisa super imperdivel pra fazer!rs
    Tenho algumas impressoes parecidas com as dos seus pais, so nao sei onde eles encontraram tantos franceses "muito respeitosos" e "simples"...
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Dois comentários:
    1) Francês dançando forró?! hehe
    2) Seus pais precisavam de uma daquelas cameras que tiram fotos panoramicas (para das conta dos predios largos de Paris).

    ResponderExcluir
  3. O roteiro de viagem completo dos meus pais vai começar na semana que vem! Mas tenho minhas dúvidas que meus pais, em 5 dias, tenham feito algo que você ainda não fez em 5 meses!!

    A parte do "respeitosos" é porque eles são da paz, não interferem na vida de ninguém e, diferente do brasileiro, pouco se importam com fofoca. Até meu médico me disse uma vez que os franceses ficavam impressionados com certeza coisas que os brasileiros faziam, como gritar, rir alto, chamar o garçom com um "psiu"! Nesse sentido, até que os franceses são bem tranquilos sim, ne?

    Fafá, a parte do francês dançando forró deve ter uma explicação: deviam ser imigrantes ou filhos de!

    ResponderExcluir
  4. Ah,Ju, semana que vem ja vai ser tarde demais! rs
    E verdade, eles sao discretos, nao interferem na vida de ninguém, nao, mas sao sem educaçao de uma outra forma...

    E tenho um comentario em relaçao ao forro: alguns dançam, mas dançam mal! Passei pela experiência e foi meio traumatizante! hahaha Mas acredito que haja exceçoes, ne! E acho que sempre tem um imigrante pra salvar!

    ResponderExcluir
  5. E como que é a sua impressão agora, Jujs?!

    ResponderExcluir
  6. Estou pesquisando informações para a nossa próxima viagem e encontrei seu blog... Feliz surpresa pois é bem escrito, bem ilustrado e dinâmico, ou seja, bem gostoso de ler. Já "viajei" por vários posts e vou usar muitas das suas dicas no nosso roteiro.

    Parabéns e muito obrigada!!!

    ResponderExcluir